sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

QUALIDADES DE UM LIDER

QUALIDADES DE UM BOM LÍDER


PRINCÍPIOS PARA UMA
BOA LIDERANÇA
Autor : Pastor Eliel de Souza.


INTRODUÇÃO

Tendo em vista que a grande necessidade nos dias de hoje é a de termos líderes com o coração na obra de Deus, líderes que tenham verdadeiro desejo de servir a Cristo e honrá-lo através de suas vidas, líderes que possuam um claro compromisso com o senhorio e com a pureza da sã doutrina; torna-se necessário para isso conhecermos como deve ser esse líder, quais as qualidades, quais os deveres, como exerce a liderança.
No entanto, são poucos os líderes que desejam pagar o preço da liderança, pois liderança é trabalho, é preocupação, exaustão, responsabilidade; bem como uma das maiores honras que o homem de Deus pode adquirir.
Tenhamos em mente que o líder é uma pessoa como qualquer outra, sujeito aos mesmos sentimentos, anseios, desejos, alegrias, tristezas, vitórias, conquistas e derrotas.
Tomo por base que um líder só é líder, de fato, quando é nascido de novo, nascido Espírito, tendo a Cristo como Senhor e Salvador de sua vida e que está se deixando ser moldado pelo trabalho do Espírito Santo em sua vida.
Apresento alguns elementos que irão contribuir para o exercício de um bom líder, para o exercício do bom ministro de Cristo. Qualidades essas que irão fazer com que essa pessoa venha a desempenhar um ministério frutificante e que venha a trazer bênção para a eternidade.
Os princípios que aqui apresento visam enriquecer a vida e a liderança do bom ministro de Cristo. São princípios elementares, porém de extrema importância. Acredito que seguindo estes, o bom ministro de Cristo venha a obter sucesso em seu ministério. Ao se submeter a Cristo, não há derrotas, somente vitórias.


I. O QUE VEM A SER UM LÍDER

Deus pode escolher a quem Ele quiser para ocupar a posição de líder. Afinal de contas, Ele é Deus, nós apenas criaturas, Ele o Criador.
Deus está chamando líderes. Ele está a procura de líderes. “Busquei entre eles um homem que tapasse o muro e se colocasse na brecha perante mim a favor desta terra, para que eu não a destruísse; mas a ninguém achei” (Ez 22.30).
É uma pessoa que está consciente do seu papel na liderança, sabe que está no comando e que este comando foi-lhe outorgado por Deus. Também está consciente que exerce um forte impacto e uma grande influência na vida dos liderados. Agora, ele não deve de forma alguma incidir uma influência forçada. Isso deve ser natural.
Ele é alguém que vê as necessidades das outras pessoas. Está sensível para com elas.
Com isso, procura, na maneira do possível, ajudá-las a superar os seus obstáculos. Deve demonstrar um amor genuíno, como um amor de pai para filho. Afinal de contas, eles são o rebanho que Deus lhe confiou nas mãos e um dia prestará contas disso.
“Para que um homem seja líder ele tem de ter seguidores. e para que tenha seguidores ele tem de ter a confiança deles. Assim sendo, a primeira qualidade do líder tem de ser integridade inquestionável. Sem ela, não é possível o verdadeiro sucesso, não importam se estejam trabalhando em turma de fábrica, campo de futebol, no exército ou num escritório. Se os colegas de um homem descobrem nele falsidade, se percebem que nele falta integridade direta, este homem fracassará. Seus ensinos e seus atos devem ser congruentes. Assim, a maior necessidade é integridade e propósito elevado”
Todo o poder que o líder vem a possuir, deve primeiramente ser por ele reconhecido que lhe foi concedido por Deus. Tudo provêm de Deus. Cristo disse: “Eu sou a videira; vós sois as varas. Quem permanece em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer” (Jo 15.5). Sem Cristo, o líder nada pode. “O exemplo máximo de liderança é Jesus. Seu grupo era constituído por doze, incluindo um que duvidou, outro que negou conhecê-lo e ainda outro que o traiu entregando-o aos assassinos. No entanto, com este pequeno grupo, ele mudou o mundo”
O líder não é um ditador. Aquele que chega com a palavra e diz tudo o que se deve fazer. Ele deve procurar incutir nas mentes das pessoas que elas devem participar na elaboração dos projetos, dos planos, etc. Assim, ele não irá exercer uma função autoritária e poderá com isso estar desenvolvendo novos líderes dentro do grupo. O líder deve, no entanto, ter a consciência que deve sempre estabelecer metas, bem como os meios necessários para atingi-las. Para isso, uma boa comunicação é fundamental. O líder deve ser alguém que saiba se comunicar. Deve saber dizer exatamente o que pretende e como pretende. Boa comunicação é imprescindível para a realização das metas, conseqüentemente os liderados não terão problemas em segui-lo. Motivação é chave para atingir os planos. Ele deve estar sempre motivando os demais, bem como motivando a si mesmo. Quando o trabalho é bem executado, ele deve saber dar crédito às pessoas por isso, deve elogiar o trabalho bem feito.
Deve também cobrar quando o trabalho não acontece.
O líder deve procurar pedir auxílio ao Senhor Jesus Cristo – o Líder dos líderes, o Mestre por excelência – para exercer a liderança. Colocando-se diante de Deus para escutar o que Ele manda, estará sendo o tipo de líder que Deus está à procura. Uma pessoa consagrada, temente a Deus, que faz o que Lhe agrada, porque seu objetivo é glorificar Aquele que o arregimentou.
“Os líderes que trabalham com mais eficiência me fazem perceber que nunca dizem ‘eu’, não pensam ‘eu’. Pensam ‘nós’. Pensam na ‘equipe’. Entendem que seus serviços fazem a equipe funcionar. Aceitam responsabilidade e não se evadem, mas ‘nós’ conseguimos o crédito. Há
uma identificação (com freqüência, um tanto inconsciente) com a tarefa e com o grupo. Isso é o que cria a confiança. O que capacita para conseguir que a tarefa seja feita”.


1. Como um Líder Deve ser Conhecido ?

O líder cristão deve ser uma pessoa que é conhecida por meio de seu poder espiritual, a sua autoridade diretamente da Palavra de Deus. Líderes devem ser pessoas que são fervorosas em oração. Ele deve ser uma pessoa que vive na Palavra e através disso desafiar os seus liderados a seguir o seu exemplo. O modo de vida, de agir, de falar, do líder deve ser
inteiramente controlado ou guiado pelo Espírito Santo.
O líder é alguém que deixa uma marca na vida, bem como no coração das pessoas. O seu proceder fará com que alguém sinta o desejo de fazer o que a Palavra de Deus diz. Ele procura causar um impacto na vida dos liderados não para querer receber glória ou querer aparecer, mas para que seja um fruto para toda a eternidade.

2. O Líder e a Firmeza Espiritual.

“Para liderar o povo de Deus, um dos maiores segredos é a firmeza, e não a força. Os líderes mais respeitados são aqueles que têm firmeza espiritual, refletindo isso em suas vidas espirituais”.
Os líderes têm que ser pessoas firmes. A firmeza dos líderes também
afetará a vida dos demais.
Um líder é alguém como todo mundo. Sente o que todo mundo sente. O líder deve ser alguém que busca auxílio diretamente de Deus. Recorre sempre ao Senhor para aprender a arte de exercer liderança.

II. O QUE É LIDERANÇA ESPIRITUAL

“Liderança é a capacidade de reconhecer as habilidades especiais e as limitações dos outros, associada à capacidade de introduzir cada um dentro do serviço que desempenhará melhor.”
Liderança é uma responsabilidade tremenda. Liderança espiritual é uma
responsabilidade maior ainda. O líder deve ser o exemplo, seus liderados devem correr juntamente com ele na área espiritual. Ele é exortado a fazê-lo com diligência, não por constrangimento, e sim de maneira espontânea (1Pe 5.1-4), estando certo de que um dia prestará contas da sua liderança (Hb 13.17). Isso faz com que os líderes sejam pessoas que devem andar com Deus para não virem a errar em sua liderança e sejam causa de desgraças na vida de outros.
Aquele que é líder, e exerce liderança espiritual, confia em Deus, obedece aos Seus mandamentos, procura compreender qual é a vontade de Deus e anda nela, tem uma dependência em Deus. A liderança espiritual é dada por Deus, por meio do Espírito Santo àqueles que Ele acha por bem designar. O homem não escolhe, mas atende ao chamado de Deus, por isso é uma tarefa celeste.
É dito que qualquer pessoa que consegue influenciar alguém a realizar alguma coisa, consegue liderar tal pessoa. Com isso, pode-se dizer que liderança é influência. O líder deve procurar influenciar o povo de Deus a buscar cumprir os intentos de Deus. É claro que o maior impacto, a maior influência que o líder de Deus pode exercer na vida de uma outra
pessoa é a da transformação. Transformar a vida de outros é um grande prazer para o líder, sobretudo porque ele vê o seu suor sendo frutificado. Verifica a Pessoa de Cristo sendo formada na vida de um liderado seu. Com certeza, uma tarefa gratificante. As maiores mudanças que ocorrem na vida de uma pessoa são exercidas mediante aquele a quem ela tem maior contato.
“Os grandes líderes influenciam-nos a ir a lugares que nunca iríamos por
conta própria e a fazermos coisas de que nunca tínhamos pensado que fôssemos capazes”
“O que é mais importante, a pessoa ou a tarefa?
Essa é uma questão que tem causado tensão há séculos. O que é certo depende do que você está fazendo.
Se você estiver em uma festa, as pessoas são fundamentais.
Se você estiver apagando um incêndio, a tarefa é fundamental.
Salmo 78.72 responde a essa pergunta com um diamante resplandecente: ‘E ele os apascentou consoante a integridade do seu coração e os dirigiu com mãos precavidas’ É função dos líderes alimentar e guiar”


III. QUALIDADES NA VIDA DE UM LÍDER .


1. Qualidades Espirituais.

É indispensável que o líder caminhe ao lado e com Deus na liderança. Para isso, é necessário que o coração do líder seja inteiramente de Deus (2Cr 16.9). Sendo assim, o líder é uma pessoa que procura com intensidade ter ou possuir uma elevada estatura espiritual. O padrão divino para o líder é extremamente elevado, para que ele possa atingir o padrão de Deus, é necessário uma obediência plena da parte dele.
Seu viver deve ser irrepreensível. O que ele ensina em relação às verdades espirituais da Palavra de Deus, devem condizer com a verdade. Não deve acontecer de que um membro chegue diante dele e o acusa de não estar praticando o que prega, de não estar cumprindo este ou aquele outro mandamento da Palavra de Deus.
Temos na vida de Daniel um grande exemplo: ele era irrepreensível, não havia nada que as pessoas podiam falar com relação a faltas em sua vida. Sendo assim, seus inimigos tentaram achar algo para acusá-lo na lei de Deus. Nada encontraram. Por fim, tiveram que fazer algo para que ele viesse a cair, mas sua vida espiritual era tão elevada que mesmo diante
do decreto do rei, ele não sucumbiu. Sua firmeza espiritual foi o seu segredo (Dn 6).
As qualidades espirituais devem ser prioridades absolutas na vida do líder. Se eleassim proceder, as pessoas irão querer imitar o seu exemplo.


2. Qualidades Morais.

Os líderes devem possuir uma vida limpa, isso não deve ser por medo dos liderados, mas sim pelo temor diante de Deus, por querer agradá-lo. Nas Escrituras, temos um exemplo bastante forte deste padrão moral que o líder deve ter. José se recusou a ter relações sexuais com a mulher de Potifar, não por temer a Potifar, mas por temer cometer tamanho pecado diante de Deus (Gn 39.7-21).
Ter uma vida moral reta é algo que não tem preço. Não se pode comprar. Tendo uma vida limpa perante Deus e os demais, o líder terá uma visão clara de seus alvos e objetivos, será mais fácil para ele alcançar seus objetivos assim.
Pessoas com problemas de visão procuram um oftalmologista para corrigir o problema. Líderes com problemas em sua vida moral, terão uma visão distorcida do ministério, não mais agirão com clareza. Por isso, é fator primordial ter uma vida limpa.


3. Qualidades Pessoais.

Cada líder tem a sua própria personalidade. Ninguém é igual a ninguém. Porém há qualidades pessoais que cada líder deveria ter preocupação. Um líder deve estabelecer alvos pessoais. Ele deve estabelecer alvos para si mesmo, bem como para sua congregação (Rm 12.3; Fp 3.14).
O líder é uma pessoa cuja influência se faz sentir em todos os aspectos. Por onde quer que vá, ele é alvo de observações e por isso há de exercer uma influência na vida das pessoas que o cercam. Ele não deve procurar fazer certas coisas somente para que outras pessoas vejam que ele está fazendo, mas ele deve ter em sua mente que quando ele faz alguma coisa os outros estão observando o seu modo de fazer ou agir. Até mesmo tudo o que o líder fala, faz ou pensa serve para influenciar os seus liderados, quer positiva, quer negativamente. De uma maneira ou de outra, o líder, influenciará os seus liderados em tudo o que faz, portanto, é necessário que se tenha o máximo cuidado para não ser uma influência negativa na vida
deles.
IV. AS QUALIFICAÇÕES ESPIRITUAIS DE UM LÍDER.

Deus está a procura de líderes. Líderes que tenham o coração voltado para Ele, para Sua obra. Pessoas cujo coração é do Senhor. O apóstolo Paulo, aconselhando a Timóteo (1Tm 4.6-16), nos deixou as especificações para o ministro que Deus está procurando, o bom ministro de Cristo e os meios para se chegar a tal:

1) Os perigos espirituais – Paulo estava ensinando a Timóteo a maneira de como se deve proceder na Casa de Deus e assim, advertindo contra as doutrinas falsas (v.6).

2) Nutrição através da Palavra de Deus – uma doutrina correta, a sã doutrina, é a base do ensino. Sabemos que a Palavra de Deus é recebida pela fé, ela, por sua vez, faz aumentar a nossa fé, desenvolvendo a nossa vida espiritual. O bom ministro de Cristo deve saber, expor e definir as doutrinas fundamentais e ensinar aos liderados o que a Bíblia diz (v.6).

3) O exercício da piedade – a boa doutrina deve ser pura. A piedade é o caráter e a semelhança de Deus. O conselho de Paulo a Timóteo era o de fazer o exercício pessoal, tanto quanto o espiritual (vs.7,8).

4) Esforço no serviço – além de ser piedoso, o bom ministro de Cristo deve esforçar-se no desempenho do serviço, além das lutas contra as forças do mal, pois sabe que é sustentado por Deus, O “Conservador de todos os homens” (v.10).

5) Exemplo por sua vida – uma das coisas mais importantes na vida de Timóteo era o seu exemplo. Para ser padrão exige-se um exemplo bastante elevado. Se Timóteo fosse padrão apenas na Palavra e não no procedimento, ele se tornaria imprestável para o ministério. Sem amor, não se pode viver. “Sem fé é impossível agradar a Deus”. Se não for puro, a impureza há de derrubar por completo a vida do líder (v.12).

6) Ministério em público – é dividido por Paulo em três partes: leitura, exortação e ensino (v.13). Leitura da Palavra de Deus ao público, exortação em relação ao texto lido e o ensino, a instrução das verdades da fé cristã.

7) Desenvolver do dom – o líder deve saber qual é o seu dom e desenvolvê-lo (v.7), deve colocar seu dom ou dons em prática, caso não o faça ficará atrofiado e a Igreja de Cristo sai perdendo. O crente tem a responsabilidade de usar e desenvolver o seu dom, na parábolas das dez minas (Lc 19.11-27) e na dos talentos (Mt 25.14-30) vemos uma ilustração clara dessa verdade.

8) Meditação na Palavra de Deus – quando o bom ministro de Cristo está meditando na Palavra, seu entendimento se abre com o auxílio do Espírito Santo e a todos é manifesto o seu poder na vida (v.15).

9) Diligência no serviço – é dito que o não nos custa nada, damos pouco ou até mesmo nenhum valor (com algumas exceções). O servo de Cristo que não demonstra zelo e diligência no exercício do seu ministério não será de forma alguma bem sucedido em seu proceder (v.15).

10) Cuidado de ti mesmo e da doutrina – ele cuida-se a si próprio (v.16) e também da preservação da pureza da doutrina que aprendera. Um perigo é que muitas vezes o servo de Cristo se ocupa de maneira tão intensa no serviço do Mestre que se esquece, descuida ou negligencia a sua vida espiritual. Por isso, Paulo exorta: “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina”.

V. O LÍDER QUE DEUS PROCURA.

1. Quanto a Sua Moral:

a) Irrepreensível: o líder deve ser uma pessoa irrepreensível em tudo porque qualquer defeito em sua vida poderá vir a ser reproduzido na vida dos outros membros da Igreja. É ser uma pessoa respeitadora, que não tenha com o que possam acusar, sem manchas (Lc 1.5,6).

b) Esposo de uma Só Mulher: a moral do líder deve ser exemplar. Isso é evidenciado logo por sua total devoção a sua esposa (1Tm 3.2; Tt 1.6).

2. Quanto ao Seu Modo de Viver:

a) Temperante: é ser equilibrado. Ser equilibrado em seus atos. Uma pessoa moderada, para que isso seja possível, deve ser vigilante para que não venha ser levado aos extremos por qualquer paixão (Tt 2.2).

b) Sóbrio: é equilibrado ou moderado em seu modo de pensar. Uma pessoa sensata, ajuizada. Ao tomar decisões usa de sabedoria (1Tm 3.2; 2Tm 4.5; 1Pe 1.13).

c) Modesto: é equilibrado ou moderado em seus próprios desejos. Alguém que é despretensioso, tendo como sua única ambição servir ao Senhor. Simplicidade no modo de se apresentar, de falar de si mesmo (1Tm 3.2).


3. Quanto ao Seu Serviço:

a) Hospitaleiro: para o desempenho do seu serviço, torna-se essencial para o líder esta qualidade. Ele deve demonstrar a sua bondade e dar exemplo para com todos no sentido de ser um bom hospedeiro em sua própria casa (Rm 12.13; Hb 13.2; 1Tm 3.2; Tt 1.8).
b) Apto para Ensinar: o líder precisa ter uma certa aptidão para ensinar. Entre os crentes sempre há a necessidade de ensino e esta oportunidade não deve de forma alguma ser negligenciada pelo líder, ele deve procurar aproveitá-la ao máximo possível. Ele deve ensinar a outros e treinar líderes (1Tm 3.2; Tt 1.9).

4. Quanto às Suas Atitudes:
a) Não Dado ao Vinho: isto demonstra domínio de si mesmo. O líder deve procurar ter domínio próprio e fazer com que não tenha apetites carnais (1Tm 3.3; Tt 1.7).
b) Não Violento: também requer o domínio próprio. É alguém que não é dominado pela ira. Não descarrega seus problemas ou anseios e dificuldades sobre outrem (1Tm 3.3; Tt 1.7).
c) Cordato: justamente o contrário do homem que é violento em modo de agir. É alguém cuja natureza é calma, prudente e bem controlado. Pessoa que tem bom senso. É moderado em sua forma de agir (1Tm 3.3; Tt 3.2).
d) Inimigo de Contendas: o seu modo de vida despreza a competição com uma outra pessoa. Não usa de rivalidades. Não entra em lutas com outra pessoa (1Tm 3.3; 1Co 1.11; 3.3).
e) Não Avarento: não é uma pessoa escrava do desejo de acumular riquezas para si. Não é dominado pela avareza, não tem apego demasiado ou sórdido pelo dinheiro (1Tm 3.3).
f) Governe Bem Sua Própria Casa: não assume o papel de ditador. A sua autoridade deve ser moral e espiritual, usando para isso a autoridade da Palavra de Deus (1Tm 3.4).
g) Criar os Filhos Sob Disciplina: se ele, na qualidade de líder, não sabe governar a sua própria casa e seus próprios filhos, “como cuidará da Igreja de Deus?” (1Tm 3.4).
h) Respeitoso: sabemos que “é necessário” ter essa qualidade. Como se pode respeitar um homem que não tenha convicções, fala sempre de acordo com o pensamento de seus ouvintes? Ele deve ser uma pessoa de “uma só palavra” (1Tm 3.4)



VI. CONHECENDO AS QUALIDADES DE LIDERANÇA DO LÍDER

O líder de Deus deve possuir características ímpares que o colocam como um legítimo representante do Senhor Jesus Cristo. É claro que existem muitas outras qualidades que um líder deva ter, mas nós citaremos apenas as seguintes:
1) Integridade:
Um líder que não é íntegro em sua vida pessoal não é um verdadeiro líder. Integridade requer caráter. Para que um líder seja íntegro, ele deve ser sincero, esta sinceridade é verificada em seu viver diário: nas conversações, no agir, nas finanças, no serviço. A integridade faz parte da vida do líder. uma vida pura, sem manchas demonstra integridade. Ninguém pode falar mal do líder que assim procede.
2) Determinação:
Para o líder, o ser determinado faz com não tenha receios em executar seus planos. Ele deve possuir determinação para fazer a obra de Deus, para corrigir os problemas na igreja, para iniciar trabalhos, e tudo quanto mais é possível. “De muitas maneiras, toda a vida e todo o ministério de Jesus abrangeram o estabelecimento de prioridades e sua firmeza em não se desviar delas. Quando ele disse: ‘Deixa aos mortos o sepultar os seus próprios mortos’, Jesus falou da necessidade de não sermos desviados da nossa meta real e importante, mesmo em situações de emergência que possam solicitar a nossa atenção (Mateus 8.22). , [...] Atenda às suas prioridades e tudo o mais se encaixará em seu devido lugar”.

3) Sabedoria:

Capacidade que uma pessoa tem para fazer do conhecimento que têm adquirido.
Sabedoria envolve percepção do coração humano, é saber realmente como as coisas são.
“O conhecimento é obtido pelo estudo, mas quando o Espírito enche um homem, Ele concede sabedoria para usar e aplicar esse conhecimento de maneira correta”.
O líder deve pedir de Deus a sabedoria para poder dirigir o rebanho. Sem sabedoria o líder fracassará, não conseguirá desempenhar o seu papel, não saberá aconselhar, dialogar, discernir as coisas espirituais. portanto, torna-se fator preponderante o líder ter sabedoria.

4) Disciplinado:

Um líder que não é disciplinado estará em apuros. Disciplina é primordial para a vida do líder. Ele deve ser disciplinado em tudo. Deve estabelecer algumas obrigações para regerem sua vida. Disciplina, envolve todas as áreas: na vida espiritual, disciplina para com a leitura da Palavra de Deus, oração, exercício do seu dom, dentre outros; na vida particular, disciplina no seu modo de viver, seu testemunho, seu alvos e planos; na vida
financeira, disciplina em saber controlar gastos, organizar orçamentos, manter-se longe do amor ao dinheiro. Um líder sem disciplina não saberá o que fazer primeiro, ou que realizar a seguir. Não conseguirá colocar seus projetos em desenvolvimento, ou apenas começará e não conseguirá terminar ou terminará muito além do prazo estipulado.

5) Humor:

É uma qualidade que ajuda em muito ao líder de Deus. Esta qualidade pode ser benéfica em situações de pressão, cuja tensão é bastante grande, nessa hora um pouco de humor também pode ajudar. O líder sabe quando se deve usar de humor, pois até mesmo no humor, há lugar e hora certos. Não adianta possuir senso de humor e usá-lo toda hora, em locais e ocasiões impróprias. O líder deve praticar o humor, ser alegre não faz mal a
ninguém e dar risadas não é pecado, relaxa.

6) Coragem:

O líder deve ter coragem suficiente para enfrentar um erro. Também para tomar decisões difíceis. “Coragem é aquela qualidade de espírito que capacita os homens a enfrentar o perigo, ou a dificuldade, com firmeza, ou sem medo, sem depressão mental”. Uma grande vantagem do líder cristão é que nele habita o Espírito Santo, o líder é templo do Espírito Santo de Deus e isso faz com que ele seja uma pessoa com coragem, ou pelo menos, deva ter coragem. A coragem do líder se vê diante de enfrentar fatos ou condições adversas, quando têm de ser firme ou enfrentar oposição, ele é corajoso para dizer o que está certo ou errado, não teme ser reprimido pelo povo, pois sabe o que é certo e fica firme na posição, se esta tem respaldo bíblico. A coragem do líder fará com que a igreja o siga. Muitos podem temer enfrentar tal situação ou empreender tal plano ou projeto, o líder de coragem enfrenta sem vacilar, pois sabe que com ele está o Senhor. coragem leva a ousadia. Ousadia é fazer coisas diferentes que deixam uma marca. Uma marca na vida da família, das pessoas, da congregação, do povo, do bairro...

7) Poder Inspirativo:

O líder de Deus é alguém cuja presença, cujo modo de falar, de agir, inspira as pessoas para o serviço. Ele é capaz de incendiar as pessoas para a realização de algo. Sua energia faz com que as pessoas queiram colaborar para o bom andamento da obra de Deus. O líder tem também um grande poder de iniciativa. Sabe o que deve ser feito, quando, como e por isso conduz as pessoas a realizar também. Juntamente com isso vem a capacidade do líder de transformar a sua visão em ação, é a sua habilidade executiva. Um líder que apenas sabe o que deve ser feito, sabe discernir espiritualmente as coisas, mas não tem capacidade para executar, para colocar o plano em ação terá inúmeros problemas.

VII. A MANIFESTAÇÃO DA LIDERANÇA.

1. O Líder Deve Aprender a Obediência.

O ato ou efeito de obedecer. Estar sujeito à autoridade legítima de alguém. A Bíblia tem muito a dizer sobre a obediência. O líder não está isento do dever de praticá-la.
Nosso exemplo maior de obediência foi o Senhor Jesus Cristo. O Rei da Glória, o Senhor dos Senhores, O Criador do universo e de tudo quanto nele há, foi obediente. Não há exemplo maior! Notemos que nosso Mestre também aprendeu a obediência: “Ele, Jesus, nos dias da sua carne, tendo oferecido, com forte clamor e lágrimas, orações e súplicas a quem o
podia livrar da sua piedade, embora sendo Filho, aprendeu a obediência pelas cousas que sofreu e, tendo sido aperfeiçoado, tornou-se o Autor da salvação eterna para todos os que lhe obedecem” (Hb 5.7-9). Do mesmo modo como nosso Senhor Jesus Cristo, cada um de nós, deve aprender a obedecer. O ser humano, geralmente, não consente em obedecer, mas,
não é isso que somos exortados a fazer.
Agora, Cristo não somente aprendeu a obediência, mas também praticou a obediência.
Ele, sendo Deus, poderia muito bem não se submeter a vergonhosa cruz que lhe foi proposta.
Aprendemos que Ele não levou isso em conta, antes, “assumindo a forma de servo...a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz” (Fp 2.5-8). Este é o maior exemplo de obediência. Exemplo esse que cada líder deve seguir, a obediência em todos os aspectos de sua vida. torna-se claro, portanto, que o líder deve tomar por decisão obedecer aos claros mandamentos da Palavra de Deus.
Na Bíblia, encontramos muitas “oportunidades perdidas” de pessoas que literalmente não obedeceram ao claro mandamento de Deus:


1) A Oportunidade Perdida de Israel: no deserto, em Cades-Barnéia, não acreditaram na Palavra de Deus (Nm 13). Avançar significaria posse imediata da Terra Prometida. Não haveria Jordão para atravessar, nem 38 anos de peregrinação, nem morte no deserto para a geração que contemplara as glórias da terra onde manavam leite e mel. Aparentemente, pensamos que Deus aprovou o envio dos espias, mas Deuteronômio 1.22 nos ensina que isso partiu do coração do homem. Como sempre acontece, Deus permitiu uma ação que era
compatível com a Sua vontade permissiva. Ele permitiu que Moisés enviasse os espias. O resultado foi que não entraram na terra. Por causa da desobediência a Deus tiveram que enfrentar a experiência no deserto.

2) A Oportunidade Perdida de Moisés: um dos momentos mais cruciais da vida de Moisés foi a sua experiência na rocha em Meribá (Nm 20.7-13). Ele recebera a ordem de Deus para falar à rocha e desta sairia a água para o povo. No entanto, Moisés feriu a rocha duas vezes. Um erro trágico! Primeiro, um ato claramente desobediente para com Deus; segundo, Cristo, nossa Rocha foi ferido uma única vez. Pela seriedade da desobediência de Moisés (e também de Arão), não entrou na Terra.

3) A Oportunidade Perdida de Saul: ele fora o primeiro rei de Israel. Também ficou conhecido o rei que perdeu a coroa (1Sm 13.1-14). Foi ungido rei em Gilgal e lá perdeu o reinado (1Sm 15.26-28; 28.17). Seu pecado fora o de oferecer sacrifícios, coisa essa que somente os sacerdotes podiam realizar (Lv 16). Se ele não tivesse se precipitado, o reino seria dele para sempre. Desobedeceu e perdeu. “Obediência é melhor que restauração” (Pr. Shaw).

A obediência do líder de Deus é de suma importância para obter sucesso em sua vida. Se falhar, as conseqüências serão trágicas, como o foram na vida dos exemplos citados acima.
Nosso Mestre, o Senhor Jesus Cristo, ensinou que obedecer a Deus é muito mais importante do que qualquer outra coisa, mais importante até mesmo que o alimento físico (Mt 4.1-4).
Os maiores erros que cometemos nesta vida são geralmente devidos à nossa impaciência em aguardar o tempo de Deus.

2. O Líder Deve Saber Perdoar.

Quem não sabe perdoar não está apto a liderar. O perdão é um fator importantíssimo em nosso meio. Ninguém é perfeito, por isso, torna-se tão necessário que o perdão seja exercido.
O principal motivo pelo qual nós devemos perdoar àqueles que nos ofenderam é que, em primeiro lugar Cristo nos perdoou (Ef 4.32; Cl 3.13). Não há escolha, temos que perdoar.
Para o líder é fator primordial dar o exemplo no perdoar. Não interessa se ele foi o ofensor ou o ofendido, a Bíblia deixa claro que deve haver a responsabilidade de perdoar. O que acontece, é que geralmente se espera que aquele que ofendeu deva procurar o ofendido, mas o contrário também é ensinado nas Escrituras e ainda exortado a fazê-lo (Mt 5.23,24; 18.21,22; Mc 11.25,26; Lc 17.3,4).
Quando se perdoa, nossa obrigação é a de esquecermos do fato, não tocar mais no assunto e vivermos em paz com a pessoa referida (Mt 18.23-35).
Nosso Deus perdoou o nosso pecado. Que amor genuíno Ele demonstrou por nós. Seu perdão foi evidenciado ao mandar Seu Filho para morrer em uma cruel cruz por nós. Pela morte de Cristo, Deus pôde ser justo em perdoar os nossos pecados (Jo 3.16; Gl 4.4).
O líder que não sabe perdoar, simplesmente não está aplicando o mandamento de Cristo. É uma pessoa hipócrita, pois se ele foi perdoado por Deus, sem merecer esse perdão, por que é que não pode fazer o mesmo? O saber perdoar é divino.

3. O Líder e a Vida de Visão e Planejamento

Uma das maiores preocupações do líder de Deus se diz respeito a visão. Visão é algo que está bem claro na mente do líder, uma imagem nítida, na qual ele quer que os liderados sejam ou façam. Tende esta imagem de maneira nítida em sua mente, o líder planejará o melhor método para se alcançar esta visão, como irá transformar isso em ação.
A concentração de um líder não deve estar no passado nem no presente, mas no futuro. Ele é uma pessoa que sempre está a frente das pessoas, vê mais e vê além que os demais, e também na imensa maioria das vezes ele é alguém que vê antes de todos os outros.
Geralmente se diz que líderes com visão, são líderes pioneiros. São o tipo de pessoa que nos conduzem a territórios ainda não explorados por qualquer outro.
“Todos os homens sonham; mas não igual. Aqueles que sonham à noite nos recessos empoeirados de sua mente acordam para descobrir que foi vaidade; mas os sonhadores do dia são homens perigosos, que podem conduzir seus sonhos com olhos abertos para fazê-lo possível.” (T.E. Lawrence).
O planejamento do futuro deve ser uma grande responsabilidade do líder. Ele deve olhar para o horizonte e verificar as possibilidades e as impossibilidades, e até quem sabe, torná-las possíveis.
Neemias era um homem de visão. mesmo distante de sua Terra, pois estava em cativeiro, ele recebera a visão de reconstruir as muralhas de Jerusalém. Era um servo, copeiro do rei Artaxerxes, da Pérsia. Então, a missão de Neemias, era transformar sua visão em realidade, seu planejamento em objetivos realizados. O primeiro passo que Neemias dera foi em sentido a oração. Depois, falou com o rei Artaxerxes. Mais tarde, em Jerusalém, com o plano em sua mente, os meios necessários, e o poder de Deus para realizar e derrotar os inimigos e a oposição, transformou a sua visão em ação.
“O que distingue o verdadeiro líder dos outros; é o fato de ele possuir uma visão. Isso é importante porque constitui a chave mestra para uma liderança vitoriosa.”
“É a visão que dá base e sustentação a todo ato de liderança. Sem visão não pode haver uma missão adequada. Sem missão, não há possibilidade de um produtivo programa de metas. Sem o programa de metas não há liderança. Sem liderança, o mundo enfraquece em pecado e tristeza. A liderança começa com uma visão”.
O líder deve executar a visão de Deus a partir de sua vida.

4. O Líder Deve Ter uma Vida de Oração

Oração é falar com Deus, é conversamos com Ele de maneira simples e objetiva, ao passo que Deus fala conosco através de Sua Palavra. Oração deve advir do desejo da alma em estar em perfeita comunhão com nosso Pai celeste. “Se existe algo essencial sobre a oração é que ela fortalece o nosso relacionamento com o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Por essa
razão, orar é mais uma questão de ‘querer’ do que de ‘dever’”.
Muitas vezes, o líder se encontra sob o peso da responsabilidade da liderança para com os liderados. Esse peso pode drenar-lhe muito de suas forças e energias. Quando este se encontra sobrecarregado com o peso do ministério e as várias circunstâncias que podem estar a sua volta, provavelmente o único meio de vir a aliviar sua tensão, é através da oração. A oração deve ser a base para todo líder prosseguir com o seu ministério. Sem oração não existe liderança. O líder deve ser exemplo.
Por meio da oração, o líder busca saber a orientação de Deus para os determinados fins que inspira realizar. As vitórias são conquistadas quando os joelhos são dobrados diante de Deus. Uma grande verdade que tenho aprendido é “Tudo o que nasce de joelhos, nasce para ficar em pé”. A oração é a nossa maior arma. É o maior meio que nós temos para recorrer aos recursos infinitos de Deus.
Novamente, nosso maior exemplo é o Senhor Cristo. Ele começou Seu ministério terreno em oração. Deu prosseguimento ao ministério em oração e terminou a Sua vida aqui na terra da mesma forma que iniciou, em oração (Mt 26.39-42; Lc 5.16; 22.41-44). Que belíssimo exemplo a ser seguido, imitado, almejado.
Qualquer obra que for feita, deve ser em oração. Os servos de Deus, em comunhão com Deus, têm ousadia em falar com Deus. Da mesma forma que Neemias teve ousadia em falar com o rei. O líder deve andar tão perto de Deus de forma que possa vir a dizer o mesmo que Neemias (Ne 1.10; 2.1-8). A oração é uma verdadeira luta, uma luta que o obreiro de Deus deve tratar sem se cansar. A oração deve ser como sangue, passa em nossas veias diariamente.
As palavras de J. Edgar Hoover são importantes: “A força da oração é maior que qualquer possível combinação de poderes controlados pelo homem, pois a oração é o maior meio que o homem tem de recorrer aos recursos infinitos de Deus”.
Sem oração o líder não vai a lugar algum. Não se pode conduzir o rebanho de Deus sem oração. O líder que negligencia esta ferramenta não conseguirá obter o poder de Deus.
Não dá para negar que há uma necessidade extrema de o líder ser uma pessoa de oração. Oração é guerra, guerra espiritual.

5. O Líder e a Humildade.

Humildade é uma característica que o próprio Cristo demonstrou e com isso Ele esperava que os seus seguidores a possuíssem também. Ela traz serenidade e equilíbrio ao líder. Um dos grandes exemplos de humildade demonstrado por Cristo foi no lavar dos pés dos discípulos (Jo 13.1-11). Ele não se importou em se rebaixar perante. Deu o exemplo. O líder deve ser um servo, deve ir de encontro às necessidades dos liderados.
Meio para se cultivar a humildade: Cristo deve ser o Senhor de nossas vidas. Ele deve viver em nós. Entronizando a Cristo em nosso coração iremos obedecê-lo. Cristo ensinou a seus discípulos a simplicidade e a humildade de uma vida de oração.
Temos nas Escrituras Sagradas um princípio que rege que a nossa força é
aperfeiçoada na fraqueza (2Co 12.9,10). O líder deve estar disposto a reconhecer a sua fraqueza. Fazendo assim, estará exercitando a humildade e com isso, Deus poderá auxiliá-lo de forma mais precisa, pois este líder reconhece que por si só não tem a capacidade de resolução. O líder que não agir dessa maneira ficará mais e mais enfraquecido, porque estará dependendo de si mesmo, não estará seguindo o exemplo do Mestre, quanto menos agradará o Senhor.
Muitas vezes, o líder é criticado por não fazer isso, ou aquilo; a maneira com que o líder deve reagir mediante tais críticas é essencial. Uma atitude de humildade geralmente faz com que essas críticas sejam para crescimento do líder. A sua humildade em admitir os seus erros, geralmente capacita os demais em admitir os seus também.
Aquele que é humilde está livre do temível orgulho, bem como da arrogância. É uma pessoa prestativa, porque não se coloca como auto-suficiente, sabe que não pode confiar em si mesmo. No entanto, a pessoa humilde sabe quais são suas qualidades, seus dons, seus talentos. Ser humilde faz com que nos coloquemos em lugar inferior ao que mereço.
“A humildade é importante para o líder porque as pessoas seguem mais
entusiasticamente aquele cuja motivação não é servir-se a si mesmo. Se todos os outros fatores forem iguais, o líder humilde está mais perto de alcançar seus objetivos. Por quê? Porque seu objetivo é beneficiar a todo o grupo, e não o seu engrandecimento pessoal. A alegria do líder humilde provém de ver o grupo caminhar no sentido de atender às reais necessidades do grupo. a liderança que não possui essa qualidade, essa expressão de amor, inevitavelmente perde a credibilidade”.

CONCLUSÃO

Neste trabalho pude aprender muito sobre como deve atuar o verdadeiro líder de Deus e como ele deve desempenhar a sua liderança em meio a comunidade.
O desejo do coração de Deus é formar Cristo no coração de cada filho seu. Os líderes que Ele têm levantado devem dar o exemplo. Devem procurar serem líderes de verdade, líderes que almejam estar com Cristo, que almejam uma comunhão íntima com o Mestre, o Líder dos líderes, o Líder por Excelência.
Os princípios que apresentei aqui são de extrema importância. É fundamental para o bom ministro de Cristo segui-los e principalmente praticá-los. Procurar exercer uma vida padrão diante de Deus.
Liderança não é brincadeira. O líder tem que estar caminhando com Deus para poder exercer o ministério que lhe foi confiado. Deus capacita o líder que quer fazer a Sua vontade, os princípios, qualidades para um bom líder são outorgados pelo Espírito ao líder desejoso de cumprir a sua missão.
Devemos agradar a nosso Deus em nosso viver diário. Para isso, temos que praticar o que a Sua Palavra nos fala, nos ensina. O bom líder, ministro de Cristo, fará a vontade de Deus e se submeterá ao senhorio de Cristo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BARBER, Cyril J. Neemias e a Dinâmica da Liderança Eficaz. São Paulo, SP.: Editora Vida, 1999.
BRINER, Bob. Os Métodos de Administração de Jesus: com 12 executivos, Ele criou a maior “empresa” do mundo. São Paulo, SP.: Nexo Editorial, 1999.
CAMPANHÃ, Josué. Segredos da Liderança: Diretrizes práticas para uma liderança bemsucedida. São Paulo, SP.: Editora Vida, 1999.
ENGSTROM, Ted W. Como se Forma um Líder Cristão. Portugal: Núcleo Editora, 1984.
FINZEL, Hans. Dez Erros que um Líder Não Pode Cometer. São Paulo: Edições Vida Nova, 1999
HABECKER, Eugene B. Redescobrindo a Alma da Liderança. São Paulo, SP.: Editora Vida, 1998.
HAGGAI, John. Seja um Líder de Verdade: Liderança que permanece para um mundo em transformação. Venda Nova, MG.: Editora Betânia, 1990.
JONES, Kenneth. Orientação para um Líder: A Primeira Epístola a Timóteo. Carangola,
MG.: Editora Dois Irmãos Ltda., 1986.
RYRIE, Charles Caldwell. A Bíblia Anotada. São Paulo, SP.: Editora Mundo Cristão, 1994, Versão Almeida, Revista e Atualizada.
SANDERS, J. Oswald. Liderança Espiritual: Os atributos que Deus valoriza na vida de
homens e mulheres para exercerem liderança. São Paulo, SP.: Editora Mundo Cristão,
1997.

Pastor Eliel de Souza

terça-feira, 18 de novembro de 2008

A Parábola das Dez Virgens


A PARÁBOLA DAS DEZ VIRGENS
Ref.: Mateus 25:1 a 13
A parábola das Dez Virgens contada por Jesus mostra a diferença entre os verdadeiros crentes e os cristãos nominais, enfatizando a chamada à vigilância para a iminente vinda do Senhor Jesus para arrebatar sua Igreja fiel na terra. Parábola é a narração de uma estória com o fim de ensinar ou ilustrar verdades morais e espirituais.
1-) V.1 "O reino dos céus será semelhante a dez virgens". O salvo é participante do reino dos céus e o será do reino de Deus na terra. Em 2 Tm. 2:10 a 12 diz: "Esta palavra é digna de confiança:... se perseveramos, com ele também reinaremos...".
2-) V.1-b: "... a Dez virgens que pegaram suas candeias e saíram para encontrar-se com o noivo." Naquele tempo e cultura, era costume a noiva no dia do seu casamento, ao sair para encontrar-se com o noivo, se fazer acompanhar de dez damas virgens, com suas lâmpadas acesas. Aliás, o culto na sinagoga não se realizava se não houvesse pelo menos dez pessoas, assim como outros atos. Estas Virgens deviam ser moças irrepreensíveis. Eram a figura do crente cuja vida exterior e interior estava sem mancha nenhuma. O apóstolo Paulo retrata este tipo de amor aos crentes de Corinto em sua 2ª. carta (2 Co. 11:2): "O zelo que tenho por vocês é um zelo que vem de Deus. Eu os prometi a um único marido, Cristo, querendo apresentá-los a ele como uma virgem pura."
3-) V. 2: "Cinco delas eram insensatas...". Insensatas quer dizer ignorantes, desmazeladas, loucas, irresponsáveis.
4-) V.2-b: "...cinco eram prudentes." A prudência é sinal de sabedoria! Em Pv.9:9 e 10 lemos: "Instrua o homem sábio, e ele será ainda mais sábio;...O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo é entendimento."
5-) V. 3: "As insensatas pegaram suas candeias, mas não levaram óleo". Azeite na bíblia é símbolo do Espírito Santo que sustenta a chama da fé, a luz do amor, o conhecimento da Palavra de Deus, a esperança, o amor, o zelo, a paciência, a firmeza em nossa vida. Jesus foi ungido por Deus" (At. 10:38).
6-) Vs.3 e 4: "Candeias ou Lâmpadas". Os discípulos são chamados de 'luz do mundo' e nós também o somos. São palavras de Jesus: "Vocês são a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade construída sobre um monte. E, também, ninguém acende uma candeia e a coloca debaixo de uma vasilha. Ao contrário, coloca-a no lugar apropriado, e assim ilumina a todos os que estão na casa. Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus." (Mt. 5:14 a 16). A Igreja é o candeeiro do Senhor: "Este é o mistério das sete estrelas que você viu em minha mão direita e dos sete candelabros: as sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete candelabros são as sete igrejas." (Ap. 1:20)
7-) V. 4: "As prudentes, porém, levaram óleo em vasilhas, junto com suas candeias." As dez lâmpadas estavam acesas e assim continuaram. As prudentes representam os crentes que têm azeite de 'reserva', que buscam experiências novas e mais profundas com Deus para a hora de provação. Devemos buscar o enchimento com o Espírito Santo: "Não se embriaguem com vinho, que leva à libertinagem, mas deixem-se encher pelo Espírito, falando entre si com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando e louvando de coração ao Senhor" (Ef. 5:18 e 19). No dia do Pentecoste, todos os que buscavam a Deus foram cheios do Espírito Santo:"Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar noutras línguas , conforme o Espírito os capacitava." (At. 2:4).
8-) V.5: " O noivo demorou a chegar". Provamos nossa fidelidade com nossa perseverança e fé. Sua vinda não era para ser imediata, mas de repente. O dia da vinda do Noivo, Jesus, não nos é revelado para que cada dia seja para nós da maior importância. Na parábola dos talentos, Jesus falou a respeito de demora: "Depois de muito tempo o senhor daqueles servos voltou e acertou contas com eles." (Mt. 25:19)
9-) V.5-b: "e todas (as virgens) ficaram com sono e adormeceram". As damas de companhia da noiva adormeceram, talvez pelo cansaço de esperar a vinda do noivo. Este "adormecer" para nós significa os demais afazeres do cotidiano que nos envolvem; mas devemos estar preparados e atentos.
10-) V.6: "À meia-noite, ouviu-se um grito: 'O noivo se aproxima! Saiam para encontrá-lo!' Apesar de Cristo parecer estar tardando, Ele virá buscar a Igreja,a Noiva, no tempo do Pai!
11-) V.8: "As (virgens) insensatas disseram às prudentes: 'Dêem-nos um pouco do seu óleo, pois as nossas candeias estão se apagando". É a atitude dos que desprezam a vida piedosa, humilde, contrita e cheia do Espírito Santo. Todas eram virgens, damas de honra da noiva, iam para o mesmo lugar, esperavam o noivo, levavam lâmpadas acesas, mas, à meia-noite, descobriu-se a grande diferença: faltava o azeite nas vasilhas. Vida de superficialidade!
12-) V.9: "Elas responderam: 'Não, pois pode ser que não haja o suficiente para nós e para vocês. Vão comprar óleo para vocês'". Não podemos tomar emprestado a bênção ou a abundante graça de um irmão, nem dar vida espiritual ao próximo: É só Jesus, pelo Seu Espírito!
13-) V.10: "Vão comprar óleo para vocês'. E saindo elas para comprar o óleo, chegou o noivo
14-) V.10-b: "...As virgens que estavam preparadas entraram com ele para o banquete nupcial...". Em Ap. 19:9 encontramos: "E o anjo me disse: "Escreva: Felizes os convidados para o banquete do casamento do Cordeiro!" E acrescentou: "Estas são as palavras verdadeiras de Deus".
15-) V.10-c: "...E a porta foi fechada." A hora da oportunidade é hoje e agora! "Amanhã pode ser muito tarde; hoje Cristo o quer libertar!", diz o poeta sacro
16-) V.11: "Mais tarde vieram também as outras (insensatas) e disseram: 'Senhor! Senhor! Abra a porta para nós!". Fechada a porta da oportunidade, não existe o jeitinho brasileiro de quebrar o galho, nem estágio intermediário, e nem reencarnação. É a figura dos crentes relaxados que não dão o devido valor à comunhão com Deus na leitura da Palavra, na oração e no testemunho de Jesus. Acham que, no último momento, vão ler a bíblia e orar para conseguir o azeite. A teologia de Paulo é clara e definida: "...E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, não pertence a Cristo." (Rm. 8:9)
Amados, o momento de nosso encontro com Jesus está muito próximo; mais do que pensamos - seja pela nossa morte ou pelo arrebatamento da Igreja. Como está a "reserva" do azeite (Espírito Santo) em sua vida? Você está preparado para o encontro com Jesus, o Noivo? A oportunidade de nos prepararmos é hoje e agora




Pastor Eliel de Souza

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

UMA MENSAGEM A IGREJA DE ÉFESO - Ap 2.1-7

A igreja em Éfeso (1): Éfeso era a cidade mais importante da província romana de Ásia. Foi situada perto do mar Egeu. Duas estradas importantes cruzaram em Éfeso, uma seguindo a costa e a outra continuando para o interior, passando por Laodicéia. Assim, Éfeso teve uma localização importantíssima de contato entre os dois lados do império romano (a Europa e a Ásia). Historiadores geralmente calculam a população da cidade no primeiro século entre 250.000 e 500.000. Éfeso era conhecida, também, como o foco de adoração da deusa da fertilidade, Ártemis ou Diana.
Sabemos algumas coisas sobre a história da igreja em Éfeso de outros livros do Novo Testamento. No final de sua segunda viagem, Paulo deixou Áqüila e Priscila em Éfeso, onde corrigiram o entendimento incompleto de Apolo sobre o caminho do Senhor (Atos 18:18-26). Na terceira viagem, Paulo voltou para Éfeso, onde pregou a palavra de Deus por três anos (Atos 19:1-41; 20:31). Na volta da mesma viagem, passou em Mileto e encontrou-se com os presbíteros de Éfeso (Atos 20:17-38). Durante os anos na prisão, Paulo escreveu a epístola aos efésios. Também deixou Timóteo em Éfeso para edificar os irmãos (1 Timóteo 1:3).
Destas diversas referências aos efésios, podemos observar algumas coisas importantes sobre essa igreja. Desde o início, houve a necessidade de examinar doutrinas e aceitar somente o que Deus havia revelado. Assim, Áqüila e Priscila ajudaram Apolo (Atos 18:26); Paulo advertiu os presbíteros do perigo de falsos mestres entre eles (Atos 20:29-31), e orientou Timóteo a admoestar os irmãos a não ensinarem outra doutrina (1 Timóteo 1:3-7). A carta de Paulo aos efésios destacou a importância do amor (5:2), um tema frisado, também, nesta carta no Apocalipse.
Aquele que conserva na mão direita as sete estrelas e que anda no meio dos sete candeeiros de ouro (1): Esta descrição de Jesus vem de 1:12-13,16,20 e mostra o conhecimento e a soberania de Jesus em relação às igrejas. Tanto os efésios como os discípulos nas outras igrejas precisavam lembrar da presença de Jesus. Ele anda no meio das igrejas, observando o procedimento delas, e pronto para agir quando for necessário. Segurando as sete estrelas, ele demonstra seu poder e domínio.
Conheço as tuas obras (2-3): Jesus elogia várias qualidades da igreja em Éfeso:
● Labor e perseverança – Deus quer servos dedicados que não desistem (Tiago 1:4). Jesus falou da importância da perseverança diante de perseguição (Mateus 10:22; veja Romanos 5:3; Tiago 1:12), observando que perseguições causam o amor de muitos a esfriar (Mateus 24:10-13). Devemos perseverar na oração (Atos 1:14; Colossenses 4:2; 1 Timóteo 5:5), na doutrina verdadeira (Atos 2:42; 1 Coríntios 15:1), nas boas obras (Romanos 2:7) e na graça de Deus (Atos 13:43). Na sua perseverança, os efésios suportaram provas e não se desanimaram.
● Não suportar homens maus – Depois de tantas advertências sobre o perigo de falsos mestres, a defesa da verdade se tornou um ponto forte da igreja de Éfeso. Homens que se alegavam ser apóstolos foram postos à prova e achados mentirosos (veja 1 João 4:1). Precisamos do mesmo zelo da verdade hoje. O mundo religioso está cheio de pessoas que se dizem profetas e apóstolos. Devem ser avaliadas conforme a palavra de Deus. Pessoas que alegam trazer novas revelações são mentirosas (Gálatas 1:8-9; 1 Coríntios 13:8; Judas 3). Os apóstolos eram testemunhas oculares de Jesus ressuscitado (veja Atos 1:22; 1 Coríntios 15:8-9). Aqueles que se chamam apóstolos, hoje em dia, são falsos mestres. Não devemos suportá-los.
Tenho ... contra ti (4): O problema dos efésios não foi uma questão de doutrina correta, mas de amor. Abandonaram o seu primeiro amor. Esqueceram dos grandes mandamentos que formam a base para todos os ensinamentos de Deus (Mateus 22:37-40). Paulo instruiu os efésios sobre a importância do amor como alicerce da vida do cristão (Efésios 3:17; 4:2,16: 5:2; 6:23). Não devemos distorcer esta advertência para criar um conflito entre o amor e a verdade. Podemos defender a verdade, como os efésios fizeram e, ao mesmo tempo, praticar o amor. Foi exatamente isso que Paulo pediu aos efésios: “Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo” (Efésios 4:15).
Lembra-te, arrepende-te e volta (5): Jesus pede três respostas dos efésios:
1. Lembra-te, pois, de onde caíste: Não foram as alfarrobas dos porcos que levou o filho pródigo ao arrependimento; foi a lembrança da casa do pai. Para os efésios se arrependerem, teriam que lembrar da comunhão com Deus que deixaram para trás. Para permanecer fiéis, a presença de Deus precisa ser a coisa mais preciosa na nossa vida. Uma vez que caímos, é necessário desenvolver novamente o amor para com ele.
2. Arrepende-te: O arrependimento é a mudança de atitude. Quando decidimos deixar o pecado e fazer a vontade de Deus, nós nos arrependemos. O pecador precisa se arrepender antes de ser batizado para perdão dos pecados (Atos 2:38). O cristão que tropeça precisa se arrepender e pedir perdão pelos seus pecados (Atos 8:22). Aqui, uma igreja cujo amor esfriou-se precisa se arrepender.
3. Volta à prática das primeiras obras: A mudança de atitude (o arrependimento) produzirá frutos (Mateus 3:8). Pelas obras, a pessoa arrependida mostrará a sinceridade da sua decisão. A igreja em Éfeso precisava voltar à prática do amor.
Se a igreja não se arrepender, Jesus removeria o seu candeeiro. Eles não permaneceriam na abençoada comunhão com o Senhor.
Odeias as obras dos nicolaítas, as quais eu também odeio (6): Mais um ponto a favor, reforçando o elogio dos versículos 2 e 3. Os nicolaítas são mencionados somente aqui e na carta à igreja em Pérgamo (15). Não sabemos a natureza precisa do seu erro, mas sabemos que era abominável a Deus. Neste ponto, os efésios odiavam o que Deus odiava. Nós devemos fazer a mesma coisa, sendo amigos do bem (Tito 1:8) e detestando o mal (Salmo 97:10).
Quem tem ouvidos, ouça (7): Freqüentemente, Jesus chama os ouvintes a ouvirem a sua mensagem (Mateus 11:5; 13:9,43; etc.). O problema de um coração teimoso se reflete nos ouvidos tapados que recusam ouvir a verdade (Mateus 13:15). Os efésios provaram aqueles que falavam, agora eles seriam provados pela maneira de ouvirem.
O Espírito diz às igrejas (7): Jesus transmitiu a sua mensagem por meio dos anjos das igrejas (2:1,8,12,18; 3:1,7,14), mas o Espírito, também, participa da revelação (veja 1:4) e da recompensa dos fiéis.
Ao vencedor ... árvore da vida ... paraíso de Deus (7): A recompensa aguarda os vencedores que perseveram no amor e na verdade. Aqueles que desistem, abandonando para sempre o seu amor, não receberão o galardão. Jesus descreve a comunhão com Deus em termos que nos lembram do jardim do Éden. Por causa do pecado, o homem foi expulso do jardim em que Deus andava (Gênesis 3:22-24,8). Aqueles que andam com Deus têm a esperança da vida no paraíso do Senhor.
Conclusão
Uma igreja rodeada por religiões falsas e sujeita à influência de homens maus precisa examinar todos os ensinamentos e rejeitar todas as falsas doutrinas. Mas ela precisa, também, demonstrar o amor verdadeiro para vencer o mal. Devemos amar a verdade, não somente pelo desejo de ser “corretos”, mas porque ela vem do Deus que merece nosso amor. Devemos amar aos outros, porque foram feitos à imagem e semelhança de Deus. “Amados, se Deus de tal maneira nos amou, devemos nós também amar uns aos outros” (1 João 4:11).
Pastor Eliel de Souza

domingo, 20 de julho de 2008

O QUE JESUS DESEJA QUE VOCÊ FAÇA ?




O QUE JESUS DESEJA QUE VOCÊ FAÇA
Receber Jesus Cristo como Salvador é apenas o começo de uma nova vida. A partir de agora você precisa crescer na vida espiritual. Jesus deseja que você cresça na vida cristã. Ele quer que você experimente o melhor. E por querer assim, Ele diz em João 10:10 “... eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância”. No entanto, para que experimente esta vida abundante é necessário que esteja disposto a ser obediente ao que Jesus diz: “Se você me ama guardará os meus mandamentos”.(João 14:15). Aqui estão sete pontos de fé que Jesus deseja que você cumpra.
I. JESUS DESEJA QUE VOCÊ TENHA CERTEZA DA SALVAÇÃO
Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Romanos 10:13 (Decorar) A Bíblia apresenta três razões pelas quais você pode estar seguro de que é salvo.
1. Pela promessa de Jesus: “Aquele que ouve as minhas palavras e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida”.(João 5:24)
2. Porque você suplicou a Jesus que o salvasse: “Porque todo aquele que invocar o meu nome será salvo”. (Romanos 10:13). Por causa do testemunho do Espírito Santo, ou seja, quando você foi salvo o Espírito Santo veio habitar em sua vida. O Espírito Santo testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. (Romanos 8:16).
Pastor Eliel de Souza

quarta-feira, 2 de julho de 2008

MISSÕES NA INDIA.



Milhões de almas estão clamando por salvação na Índia.

Você está ouvindo esse clamor? pois Deus está chamando pregadores para anunciar a sua salvação nesta última hora na face da terra.

Ele conta com você.

Você é um instrumento especial que Deus utilizará para viabilizar os seus grandes projetos na terra.

Abraços.

Pastor Jorge Falbo.

Nem Todos que Dizem Senhor! Senhor! entrarão no Reino dos Céus.


Queridos estamos vivendo um tempo de grande apostasia espiritual, onde o talento vale mais que o caráter, mas Jesus prevendo este tempo disse: "nem todos que dizem Senhor! Senhor! entrarão no Reino dos Céus."
Para Jesus o mais importante não é talento, mas sim a mudança e transformação do Carater do homem, seja vc, alguém compromissado com o Reino, é tempo de levarmos a sério o nosso comprisso com o Rei Jesus.